E. E. João Arruda Brasil conquista o 2º lugar em Mostra Brasileira de Foguetes

Texto e fotos fornecidos pela escola

Edição e revisão: Ágatha Urzedo

 

Após uma emocionante disputa entre estudantes de escolas públicas e particulares de todo o Brasil, os nossos alunos Gabriel Souza Marques e Geilson Lopes de Macedo conquistaram a medalha de prata na 13ª edição da Mostra Brasileira de Foguetes (Mobfog). Eles estudam, respectivamente, na 2ª e 1ª séries do Ensino Médio da E. E. João Arruda Brasil – PEI, de Guararapes.

Os resultados foram divulgados no dia 18/10, durante a Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica, em Barra do Piraí (RJ).

Promovido anualmente, o evento estimula o interesse dos alunos brasileiros na aeronáutica, área pouco estimulada no País. Nas provas, era necessário construir e lançar o mais longe possível os foguetes feitos a partir de materiais como garrafa PET e tubo de papelão.

Os mais de 200 participantes de todo o Brasil que disputaram a Mobfog em Barra do Piraí foram definidos ao longo de seletivas realizadas nos municípios e distribuídos em raias para fazer os lançamentos dos foguetes. A E. E. João Arruda Brasil teve duas equipes, mas apenas uma conseguiu avançar para a etapa nacional. Ela ficou na turma 1, equipe 29, e foi formada pelos alunos Gabriel e Geilson.

Os estudantes ganharam um certificado de participação e ainda levaram a Medalha de Prata e o almejado troféu Foguete.

“Fiquei muito feliz por participar, adquirimos muita experiência e só temos a agradecer pelo apoio da escola, dos nossos pais e da professora Tânia Regina Alves Koyama Nacagami, que nos proporcionaram essa experiência”, disse Geilson.

“Ficamos muito felizes com o 2º lugar, que é uma excelente colocação, até mesmo porque o que importa é o aprendizado, que foi muito grande”, acrescentou Gabriel.

De acordo com a professora Tânia, que leciona a disciplina de Física na escola, em um primeiro momento pode parecer fácil fazer um foguete com uma garrafa PET, mas, na verdade, é uma tarefa difícil que demanda muito tempo e dedicação. “Colocar o que ensinamos em prática é algo muito satisfatório, mas fazer um projeto com os alunos, vendo-o funcionar, é uma experiência sensacional”, disse.

Ela acrescenta que ter a oportunidade de participar de uma competição como essa traz muitos benefícios, principalmente quando se vê sendo aplicado na prática o conhecimento transmitido em sala de aula. “Isso faz com que eles queiram aprender cada vez mais, pois é desafiador e divertido conseguir fazer um projeto como esse funcionar. Nossos alunos trabalharam bastante e, por isso, foram recompensados com essa medalha”, pontuou.